INÁ Arquitetura | Rua Guarará, 565 - Jardim Paulista | São Paulo SP
Escolha uma Página

APARTAMENTO DO EDUARDO E DA CLARISSA

As referências necessárias para reformar um apartamento modernista

Em janeiro de 2018, um casal de advogados nos procurou com o pedido de repaginar seu apê em um empreendimento novo, localizado na Faria Lima. O Eduardo e a Clarissa são de Brasília e, como perceberam que a rota de trabalho levava bastante a São Paulo, decidiram se mudar para cá. O Eduardo veio antes com o seu filhote, um pequeno chihuahua chamado Bow, e morava em um studio de 30 metros quadrados. A Clarissa viria mais tarde, depois do casamento dos dois, mas, aos finais de semana, desembarcava por aqui.

Depois dos primeiros contatos, sabíamos que a obra teria de começar apenas em setembro. Isso porque ainda faltavam oito meses para que a chave fosse liberada. Aproveitamos esse tempo para estudar bem a planta original e desvendar quais demandas aquele apartamento pedia. Foi, também, uma chance para nos aproximarmos dos clientes: foram muitos sábados os apresentando aos fornecedores e lojas de móveis. Além da reforma, os dois trocaram todos os mobiliários, o que impactou na elegância do resultado.

Apesar de serem muito jovens (os dois ainda nem alcançaram a casa dos trinta), os dois têm gostos refinados. Estavam certos de que queriam um apartamento de ares vintage, que mesclasse peças de design consagradas e outras mais contemporâneas. Para nós, foi uma delícia escutar as referências dos dois, consequência de terem crescido na capital. Afinal, é um lugar importantíssimo da arquitetura modernista e que fez o mundo olhar para Oscar Niemeyer e Lúcio Costa.

Quando entramos no apê pela primeira vez, em setembro, entendemos de cara o desejo da Clarissa e de Eduardo de viverem em um apartamento de estrutura similar aos da capital. Tirando uma parede ou outra, o espaço era bem generoso e contava com um janelão daqueles de filmes que se passam em Nova York.

A privilegiada localização é um bônus. Além de estarem próximos ao metrô e à uma área bem movimentada, Eduardo trabalha apenas a algumas quadras de distância, o que permite a ele curtir a atmosfera do bairro em uma caminhada ou, quem sabe, apostar em um patinete elétrico.

Não só cumprimos o prazo como adiantamos a entrega do apartamento

Dois meses depois do início da obra, o Eduardo e a Clarissa trocaram os votos e se tornaram oficialmente casados. Logo depois disso, ela fez as malas e veio morar em São Paulo. A experiência foi gostosa, mas logo começou a se tornar cansativa. Afinal, os dois (contando com o pequeno Bow, três) estavam dividindo um espaço muito pequeno.

Isso, somada à vontade de ver surgir na frente à casa que eles tanto esperavam, fez com que os dois nos perguntassem se era possível adiantar a obra. Isso foi um desafio, já que todo cronograma estava fechado no período correto. Mas foi remarcando uma coisa aqui e outra ali que conseguimos. Entregamos as chaves novamente a eles duas semanas antes do combinado.

Parece pouco, mas para os clientes foi a chance de começar a curtir um pouco antes a casa dos sonhos. Ver a animação e satisfação dos dois foi muito gratificante.

Aproveitamos ao máximo a planta original e quebramos poucas paredes

Os projetos do INÁ são conhecidos por reestruturar os projetos, integrar espaços e diminuir cômodos. Dessa vez, fizemos o oposto. Mantivemos a estrutura com três quartos, contando com a suíte do casal, e cozinha isolada. O que fizemos foi dar amplitude à sala de estar ao quebrara parede que separava este espaço da varanda. Além de criar um espaço fluido e mais proveitoso, essa transformação trouxe para mais perto a vista apaixonante dos prédios.

Colocamos abaixo o quarto para empregados, já que esse cômodo caiu em desuso na maioria dos lares. Para quê um quarto da bagunça quando se pode dar utilidade a mais um metro quadrado ou outro? Fechamos a entrada da cozinha e quebramos as paredes para acrescentar esta área ao closet do casal, onde foi possível construir uma marcenaria elegante e criar um canto com um espelho cercado por luzes de LED.

Aproveitamos ao máximo a planta original e quebramos poucas paredes

Bebemos da fonte de elementos que são icônicos na arquitetura modernista e os trouxemos ao apartamento dos clientes. Logo ao entrar no apartamento, os moradores dão de cara com um painel de azulejo de grafismos simples, que mescla branco e azul de uma maneira sutil. Os azulejos estão por toda parte em Brasília, obras que foram colocadas ali por Athos Bulcão. Fizemos outro painel na sala de estar, este de madeira ripada branca, que trouxe dinamismo na decoração.

As áreas comuns não se comparam em nada ao studio do Eduardo, já que são muito fluidas e amplas. Foi possível criar quatro espaços: uma sala de recepção, espaço para TV, sala de jantar e uma espécie de salinha de bar, um estar mais informal. O contraste entre mobiliário contemporâneo e vintage criou um jogo diferenciado e personalizado. Lá, um sofá duplo demarca a divisão dos espaços de estar e TV. Em frente a ele, posam duas poltronas N, peça famosa do designer Zanine Caldas.

Clique aqui para ler mais sobre ladrilhos hidráulicos e sobre a Ladrilar, a fábrica mais antiga do ramo na cidade de São Paulo.

Concentramos o branco na cozinha ao criar um móvel de serralheria e marcenaria. Neles, criamos nichos que compartimentam os utensílios de cozinha e torna a passagem menos estreita. Especialmente com este móvel, foi legal fazer uma comparação ao resultado com o desenho que imaginamos. No apartamento, a peça ficou igualzinha aos desenhos no 3D.

O lavabo também foi um espaço onde decidimos ousar. Fizemos uma cuba estendida em concreto e as proporções do espelho são maiores na vertical do que na horizontal. O espaço ganhou personalidade até aí.

Ressignificamos dois dormitórios: um se tornou o quarto para visitas, para quando a família e os amigos de Brasília vierem visitá-los, e o outro um escritório. Como o espaço do closet foi criado, o quarto ganhou mais fluidez. No banheiro da suíte, colocamos ladrilhos hidráulicos no chão e mantivemos a paleta clean do restante do projeto. A cuba em concreto e marcenaria clara criou um contraste que acentua sofisticação.

Uma estética visualmente limpa e minimalista que moldou o lar dos sonhos

Quem entra no apartamento do Eduardo e da Clarissa sabe que o projeto serviu perfeitamente para os dois. A identidade deles, bem como a forte ligação com a estética de Brasília, estava impressa nos quadros ao lado da TV, no minimalismo do mobiliário (tanto em traços quanto na quantidade) e no espaço aberto.

Os ares vintage também estão ali, sem excessos e na medida certa. A paleta de cores sóbria e o dinamismo nas peças criam uma atmosfera marcante de aconchego e de muito bom gosto. É de fazer cair o queixo e aquecer o coração, tanto dos moradores como das visitas.